Notícias

Dia Mundial do Refugiado - Uma atualização do ACNUR

Para o Dia Mundial do Refugiado, Centro para Refugiados de BC hospedado Michael Casasola, Oficial Sênior de Reassentamento e Caminhos Complementares do ACNUR e Jennifer York, Diretora de Serviços para Refugiados do ISSofBC, para uma discussão perspicaz sobre estatísticas e tendências de chegada de refugiados e solicitantes de refúgio a partir de perspectivas locais, nacionais e internacionais.

O BC Refugee Hub foi criado para ajudar a equipe do setor de atendimento a refugiados na Colúmbia Britânica a entender melhor as tendências atuais das questões globais e nacionais de refugiados e é gerenciado por Bahar Taheri. O Hub se tornou um recurso inestimável para que os governos locais e federais compreendam a dinâmica e as necessidades dos refugiados na Colúmbia Britânica.

O artigo abaixo é um resumo de sua discussão e ajuda a responder a essas perguntas-chave sobre a atual crise global de refugiados:

  • Por que os países de baixa e média renda acolhem a maioria dos refugiados?
  • Qual é a posição e o papel internacional do Canadá?
  • De onde vem a maioria dos refugiados atualmente?
  • Que soluções tangíveis a comunidade internacional tem para lidar com a crise global de refugiados? Elas funcionarão?

 

Assista à discussão completa ou leia um resumo do que foi explorado abaixo.

Understanding today’s global refugee crisis  

Em nosso mundo em constante evolução, a situação dos refugiados continua sendo uma questão humanitária urgente. Dados recentes revelam que mais de 120 milhões de pessoas foram deslocadas em todo o mundo, sendo que uma maioria significativa foi acolhida por países de baixa e média renda.

Embora países como o Canadá ocasionalmente estejam nas manchetes por sua admissão de refugiados, é fundamental entender o contexto mais amplo e os desafios enfrentados pelos países vizinhos onde reside a maioria dos refugiados.

O papel desproporcional dos países vizinhos na crise dos refugiados

70% dos refugiados do mundo encontram refúgio em países adjacentes ao seu país de origem. Esses países geralmente não têm os recursos necessários para fornecer o apoio adequado, mas carregam uma parte significativa do ônus global dos refugiados.

Por exemplo, Aruba e Líbano recebem refugiados que constituem um quinto e um sexto de suas populações, respectivamente.

Em contraste, nações mais ricas como o Canadá, com recursos mais substanciais, recebem muito menos refugiados em relação à sua população.

Crisis zones: Ukraine and Sudan 

O conflito em curso na Ucrânia resultou no deslocamento forçado de cerca de 9,7 milhões de ucranianos. Apesar de alguns voltarem para casa, muitos permanecem em um estado de incerteza sob medidas de proteção temporária em vários estados da União Europeia.

A situação no Sudão é igualmente terrível, com aproximadamente 8,4 milhões de pessoas deslocadas em meados de março.

No entanto, apenas cerca de 1,7 milhão cruzaram as fronteiras internacionais, destacando o imenso deslocamento interno no país. A resposta da comunidade internacional tem sido lamentavelmente inadequada, com apenas cerca de 8% das necessidades identificadas sendo atendidas, exacerbando o sofrimento da população deslocada.

Global displacement numbers 

Apesar do número crescente de pessoas deslocadas, os esforços para reassentar os refugiados estão atrasados. No ano passado, foram encontradas oportunidades de reassentamento para apenas 154.000 pessoas (aproximadamente 5%) dos mais de 30 milhões de refugiados sob o mandato do ACNUR . Esse número, embora seja o mais alto desde a crise dos refugiados sírios em 2016, ainda está muito aquém das crescentes necessidades globais.

A duradoura crise de deslocamento do conflito sírio

O conflito sírio, agora em seu décimo terceiro ano, continua a deslocar milhões de pessoas. Apesar da diminuição do interesse e do apoio internacional, os sírios continuam sendo uma das maiores populações deslocadas. A relutância de muitos países anfitriões em continuar apoiando os esforços de reassentamento em larga escala aumenta o desafio.

Dangerous journeys 

O Mediterrâneo Central continua sendo uma das rotas mais perigosas utilizadas pelos refugiados, pois milhares tentam atravessar da África Subsaariana para a Europa.

Tragicamente, cerca de 1.900 pessoas morreram tentando atravessar o Mediterrâneo somente em 2023. Estão sendo feitos esforços para oferecer oportunidades de reassentamento no início da jornada migratória para evitar essa perda desnecessária de vidas.

O Darien Gap, uma parte traiçoeira do Panamá, recebe centenas de milhares de migrantes que tentam chegar à América do Norte vindos da Venezuela.

Os escritórios de mobilidade segura em vários países da América Latina têm como objetivo oferecer proteção e oportunidades de reassentamento mais cedo em sua jornada, reduzindo os riscos associados a essas rotas perigosas.

The Rohingya and Afghan crises: Seeking solutions 

Houve um progresso significativo com o governo de Bangladesh, que permitiu o reassentamento em larga escala dos refugiados Rohingya.

Essa iniciativa tem o objetivo de oferecer novas oportunidades para uma população que enfrentou negligência e dificuldades graves.

A crise afegã continua a exigir atenção, especialmente porque os países vizinhos, como o Paquistão e o Irã, hospedam um grande número de refugiados afegãos.

Estão sendo feitos esforços para equilibrar as relações com esses países anfitriões para facilitar o reassentamento de refugiados.

Canada’s role: Special programs and new initiatives 

O Canadá tem sido proativo com programas específicos destinados à proteção urgente e ao apoio aos defensores dos direitos humanos.

Essas iniciativas fornecem apoio imediato e essencial a algumas das populações mais vulneráveis, incluindo aquelas que enfrentam violência de gênero, retorno forçado ou perseguição.

The need for broader solutions 

Apesar dos esforços notáveis, a lacuna entre as necessidades dos refugiados e as oportunidades de reassentamento disponíveis continua grande. O Pacto Global para Refugiados enfatiza o desenvolvimento de caminhos complementares, como patrocínio privado, bolsas de estudo e programas de mobilidade de trabalho. Essas iniciativas têm o objetivo de oferecer soluções adicionais além dos programas tradicionais de reassentamento.

The path forward: A collective responsibility 

O caminho a seguir exige uma abordagem multifacetada.

O "Roadmap 2030" destaca três objetivos essenciais: aumentar as oportunidades de reassentamento, desenvolver caminhos complementares e promover comunidades acolhedoras e inclusivas.

O apoio público e a cooperação internacional são essenciais para garantir que essas metas sejam atingidas e que os refugiados tenham a oportunidade de reconstruir suas vidas com segurança e dignidade.

Conclusão:

Os países com menos condições de suportar o fardo dos refugiados são os que mais fazem para cuidar dessas populações deslocadas. É hora de os países de renda mais alta darem um passo à frente.

A crise global de refugiados exige atenção constante, recursos e soluções inovadoras.

À medida que o mundo enfrenta desafios crescentes de deslocamento, é nossa responsabilidade coletiva apoiar e proteger aqueles que foram arrancados à força de suas casas.

No entanto, neste momento, o governo do Canadá optou por reduzir o número de refugiados assistidos pelo governo nos próximos dois anos, de 21.115 GAR em 2024 para 15.250 em 2025 e 2026.

Somente por meio de esforços abrangentes e equilibrados e da solidariedade global, poderemos trabalhar em direção a um futuro em que todos os refugiados encontrem um lugar seguro e esperançoso.

Pular para o conteúdo